Quem está preocupado com SEO já está perdido

Como assim? Você me pergunta. Você não deveria estar preocupado com a classificação do seu site em engenhos de busca? Mas 96% dos visitantes chegam aos sites através deles!

Tudo bem, deixe-me explicar. Para ficar mais fácil, vamos voltar às bases.

SEO é um acrônimo para Search Engine Optimization que numa tradução bem pé-duro quer dizer Otimização de Engenho de Busca. Aqui já dá pra ver a inconsistência: quem faz otimização dos engenhos de busca são os donos dos engenhos de busca, ora bolas, não os responsáveis pelos sites indexados. Você simplesmente não consegue otimizar algo que você não controla.

Digamos que você escreveu uma rotina para ordenar os valores de uma lista. Como você faz para otimizá-la? Você olha o que pode modificar e reescreve algumas partes de modo a executar mais rápido, consumir menos memória ou algo do tipo, claro. O que definitivamente não conta como otimização da sua rotina é exigir que a entrada sempre venha ordenada de modo que ela não precise fazer nenhum trabalho.

Entretanto, o que se denomina de SEO hoje em dia é basicamente isso, modificar a web para tornar mais fácil para os engenhos de busca acharem o conteúdo. O termo evoluiu para significar Otimização para Engenho de Busca. Muitas vezes é usado como sinônimo para o ato de massagear sites ou páginas de modo a obter uma classificação favorável em relação a alguns termos específicos. Algumas vezes isso inclui até esquemas obscuros de troca de links. O objetivo disso é, no final de tudo, aparecer entre os primeiros resultados quando alguém procurar por algumas palavras relacionadas a seu conteúdo. Chega-se a bolar todo tipo de coisa para conseguir isso, mas a solução definitiva é mais simples do que parece.

Para garantir que sua página vai figurar entre os resultados mais relevantes para um termo de busca basta ter o melhor conteúdo para aquele termo.

Se você tem um site de resenhas de produtos que tem inquestionavelmente a melhor resenha do mundo referente a um produto em particular e alguém procura pelo nome do produto e seu site não aparece em primeiro ou segundo colocado (vamos admitir que o site do fabricante do produto possa ser o primeiro), a falha é dos engenhos de busca, não sua. É o trabalho deles achar o melhor conteúdo. O seu trabalho é ter o melhor conteúdo. Se eles não estão achando o seu conteúdo, simplesmente não estão trabalhando direito.

Não importa como vão fazer para encontrar o melhor conteúdo, eles têm que encontrar. É o que eles se propõem a fazer. É a razão deles existirem. Não importa se eles vão levar em consideração a quantidade de links que cada página recebe em toda a web ou se vão contratar críticos literários para ler e classificar todas as páginas do mundo.

O pessoal do engenho de busca não pode reclamar que você não colocou o nome do produto na URL ou que não incluiu algum tipo de meta-dado para facilitar a indexação. Nada disso importa quando o seu conteúdo é o melhor. Claro que você deve tomar cuidado para tornar o conteúdo fácil de encontrar, garantir que ele vai ser acessível para visitantes usando programas de leitura de tela e certificar-se que o título da página faz sentido. Mas nada disso é SEO, esse tipo de coisa é só Introdução à Web.

SEO no sentido literal só pode ser realizado pelos donos dos engenhos de busca. O melhor meio de fazer SEO como o termo é comumente usado é simplesmente gerar o melhor conteúdo em toda a web. Neste sentido, você não deve perder seu tempo com SEO justamente porque SEO é o que você deveria estar fazendo o tempo todo desde o início.

4 Responses to “Quem está preocupado com SEO já está perdido”


  1. 1 Felipe Pavão

    Acho que você está equivocado em alguns pontos.

    Concordo com sua explanação sobre o significado da palavra, mas o que deveria ser discutido talvez é sobre a atividade que utiliza SEO como “função”. Ela tenta também melhorar a qualidade do código HTML e é isso que pessoas tem se prendido: fazer com que as páginas estejam com markup HTML correto e com o conteudo obedecendo as diretivas do W3C para que os buscadores, que se baseiam nessas boas práticas, façam seu trabalho corretamente também

    Abraços,

    Felipe Pavao
    http://www.felipepavao.com

  2. 2 thiago.arrais

    Felipe, foi exatamente isto que eu quis dizer com “Introdução à Web”. Fazer páginas bem estruturadas, tomar cuidado com os caches e cabeçalhos HTTP, etc. não é SEO. Este é um dos muitos significados difusos para SEO, e é um dos poucos moralmente válidos. De qualquer modo, a motivação deveria estar do outro lado. O bom profissional deve se preocupar em fazer páginas bem feitas sim, mas simplesmente para ser um bom cidadão da web, não para obter uma boa classificação nos engenhos de busca. Isto deve ser uma consequência, não uma causa. Afinal de contas, isso tudo não ajuda somente os engenhos de busca, mas todo o público do site, que é o que deveria estar motivando o desenvolvedor desde o início.

    Certamente não estou atacando esta abordagem e advogando que todos passem a escrever HTML macarrônico. O que estou atacando aqui é a inflação artificial de resultados de busca através de esquemas de troca de links e spam, que parece ser o significado mais comum usado por quem quer (literalmente) vender SEO.

  3. 3 Leonardo Borges

    Oi Thiago,
    Concordo que é papel do motor de busca encontrar o melhor conteúdo.
    Mas você tem que fazer o seu também.
    É possível ter um html perfeitamente válido e terrívelmente ineficiente para propósitos de SEO.

    Como exemplo, muitos designers usam pequenas imagens, normalmente nomeadas “blank.gif”, “blank.png” pra fazer certos ajustes de layout. Seja por algum problema específico de certos browsers ou outras razoes.

    E enquanto isso seja um html valido – nao há nada de errado com um img tag com title=”blank” por exemplo – é muito ineficiente visto que blank pode virar uma keyword do seu conteúdo, dificultando a vida dos crawlers.

    Abraço

  4. 4 thiago.arrais

    Leonardo, <img title="blank"…> é ajuste de layout e, embora seja HTML válido (a propósito, browsers são projetados para serem bastante benevolentes com a entrada que recebem dos webservers e acabam aceitando todo tipo de porcaria). Um designer não deve fazer essas coisas simplesmente porque misturam o conteúdo com a apresentação, contrariando boas práticas de desenvolvimento.

    Novamente, isso é Introdução à Web, não SEO. Você deve realmente evitar esse tipo de coisa, mas para ser um bom cidadão da web, não para satisfazer um engenho de busca. As pessoas muitas vezes fazem as coisas certas pelos motivos errados. No fim das contas, dá na mesma e todo mundo se beneficia de uma web melhor, mas o propósito do texto é mais filosófico do que prático mesmo.

  1. 1 SEO: a importância da otimização - vinicius.biz/blog
Comments are currently closed.